COVID-19: Impressão 3D acelera produção de peças em hospitais

Quando os estoques começam a ficar vazios durante uma pandemia, vidas entram em risco.

Mesmo em meio a crise, a manufatura aditiva está lutando para acompanhar e combater o crescimento do número de vítimas do coronavírus.

E felizmente esse foi o caso para alguns pacientes com coronavírus na Itália: a impressão 3D veio em seu socorro.

Um hospital do norte da Itália em Brescia, uma das áreas mais infectadas com coronavírus na Itália, ficou sem válvulas para as bombas de oxigênio, pois as peças dos estoques haviam acabado e não foi possível encomendar com os fornecedores a curto prazo.

Foi aí que uma empresa que presta serviços de impressão 3D entrou em ação e imprimiu as válvulas a curto prazo, salvando vidas.

 

Impressão 3D salvando vidas

Como o coronavírus atinge os pulmões do paciente, é necessária oxigenação e terapia intensiva para alguns dos casos graves de hospitalização.

As bombas de oxigênio permitem que o paciente viva mais tempo para poder combater o vírus.

Essas bombas de oxigênio exigem peças específicas e complexas para funcionar, e quando essas válvulas começaram a se esgotar porque o fornecedor não conseguia acompanhar a alta demanda, os médicos tiveram que encontrar uma solução rápida e apropriada.

Foi aí que a impressão 3D entrou em cena para ajudar!

Uma empresa local encarou esse desafio, trazendo sua impressora 3D diretamente para o hospital, redesenhando a válvula e imprimindo em 3D. E isso realmente funcionou!

Na noite de 14 de março, foram confirmados 10 pacientes do hospital ligados às bombas de oxigênio com essas válvulas impressas em 3D.

A impressão 3D foi vista na Itália como uma solução para os estoques esgotados, enquanto o mundo luta para acompanhar o crescente número de casos de coronavírus.

FONTE(S): WISHBOX.COM.BR

Mapa do coronavírus no mundo: sites mostram casos confirmados em tempo real

Mapas do coronavírus são ferramentas online que ajudam a monitorar o avanço da Covid-19 em tempo real. O rápido avanço da doença tem preocupado cidadãos, autoridades governamentais e especialistas de saúde em todos os cantos do globo. Em meio à progressão da pandemia, esses sites permitem acompanhar os casos confirmados do novo coronavírus em tempo real. A tecnologia usada é a mesma que nós (Connect Tech) utilizamos para monitoramento de equipamentos e serviços em nossos clientes

Confira a seguir, três sites para se manter informado com dados atualizados sobre a doença. A lista inclui uma plataforma oficial da Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Bing Covid, da Microsoft, que funciona em português.

1.     Organização Mundial da Saúde

A Organização Mundial da Saúde criou uma plataforma que permite acompanhar o avanço do coronavírus no mundo. O mapa aponta, com pontos alaranjados, os países que têm casos confirmados da COVID-19. Quanto maior o tamanho da circunferência, maior o número de infectados na região.

Na coluna esquerda, a ferramenta informa o total de vítimas, países infectados e casos confirmados ao redor do globo. Um gráfico exibe a curva de crescimento das infecções e, do lado direito, é possível conferir um ranking dos países mais afetados pela pandemia. O site pode ser acessado em: https://experience.arcgis.com/experience/685d0ace521648f8a5beeeee1b9125cd

2.     Rastreador da COVID-19 da Microsoft

É possível monitorar a progressão dos casos de coronavírus no Brasil e no mundo com uma ferramenta (bing.com/covid) projetada pelo Bing, buscador da Microsoft. Autoexplicativo, o visual do mapa se assemelha bastante ao da OMS. A diferença é que, ao clicar sobre determinado país, o rastreador mostra o total de casos ativos, recuperados e fatais. O painel exibe também uma lista de notícias e vídeos relacionados ao avanço da pandemia naquela região.

3.     Universidade Johns Hopkins

Especialistas do Centro de Ciência e Engenharia de Sistemas da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, também desenvolveram um site para acompanhar a progressão global da COVID-19 (gisanddata.maps.arcgis.com/apps/opsdashboard/index.html#/bda7594740fd40299423467b48e9ecf6). Os dados no mapa são abastecidos em tempo real com informações da Organização Mundial de Saúde e de centros de controle da doença em diferentes países, o que torna o layout e funcionamento da plataforma bem parecidos com o da ferramenta da OMS.

O sistema usa pontos vermelhos para indicar os locais onde há casos de coronavírus. À esquerda do mapa, é possível ver o total de pessoas infectadas e a quantidade de casos confirmados por região. No canto superior direito, quadros informam o número de vítimas fatais e de pacientes recuperados por país. Há ainda um gráfico que indica o crescimento da Covid-19 no globo.

FONTE(S): TECHTUDO.COM.BR

COVID-19: Drones pedindo à população para ficar em casa

Em alguns países da Europa e da Ásia, governos vêm usando drones para acelerar providências contra o coronavírus em espaços públicos. Na Espanha, onde vigora um decreto de estado de emergência que ordena o isolamento por 15 dias, a polícia usa os equipamentos para sobrevoar áreas onde pessoas ainda circulam e emitir um aviso sonoro para que todos fiquem em casa. Os drones ajudam especialmente na capital Madrid, cidade mais populosa e foco de infecção no país.

Na China, autoridades vêm lançando mão dos aparelhos para acelerar o processo de desinfecção das ruas. Eles viajam por cidades inteiras espirrando produtos de limpeza, como água sanitária, por exemplo, para garantir que traços do vírus sejam eliminados de todas as zonas, principalmente daquelas onde o exército de limpeza do governo chinês não consegue passar.

Aqui no Brasil, a Prefeitura do Rio de Janeiro já utiliza os drones desde o último dia 15/04, um “drone falante” e um sistema de rastreamento de sinais de celulares para tentar evitar aglomerações na cidade e, dessa forma, impedir a disseminação rápida do novo coronavírus.

Segundo a prefeitura, o equipamento com um alto-falante sobrevoará diversos pontos da cidade, alertando aos cidadãos sobre a importância de ficar em casa. A mensagem diz ainda que, se precisarem sair, que seja mantida distância de dois metros das outras pessoas, conforme as orientações do Ministério da Saúde.

Todas as ações do drone serão transmitidas em tempo real para a base operacional no Riocentro, onde funciona o Gabinete de Crise da Prefeitura, e para o Centro de Operações, na Cidade Nova, no Centro.

O serviço será usado para o atendimento das chamadas do Disk Aglomeração e permitirá à Prefeitura estender esse tipo de ação. O serviço, criado no final de março, já registrou mais de duas mil denúncias sobre pontos de aglomerações na cidade

FONTE(S): TECHTUDO.COM.BR / G1.GLOBO.COM

COVID-19: Hemorio inicia campanha de doação de sangue em condomínios

Objetivo é repor o estoque de sangue, que está muito baixo, sem expor o doador no período de distanciamento social. Equipes montam estrutura de coleta por um dia no salão de festa dos condomínios com 500 moradores.

O Hemorio começa nesta quarta-feira (1º) uma campanha para repor os estoques de sangue, que caíram muito desde o início da pandemia da Covid-19, após as medidas de isolamento social. A coleta de sangue também pode ser realizada na casa dos doadores.

A campanha “Hemorio em casa” começa a partir das 10h. Segundo o diretor-geral do Hemorio, Luiz Amorim, a ideia é ir até o doador para evitar o deslocamento de pessoas no período de isolamento social. Uma van com equipamentos e profissionais vai montar uma estrutura por um dia, no espaço dos condomínios.

As estruturas de coleta são montadas nos salões de festa em condomínios que tenham pelo menos 500 moradores com idade adequada para doar sangue.

Segundo Amorim, o doador será orientado a aguardar em seu apartamento até o momento da coleta, quando será contatado pela equipe via Whatsapp ou pelo interfone do prédio. Desta forma, aglomerações serão evitadas e os doadores não ficarão tão expostos.

Os síndicos de condomínios interessados em participar da campanha, que possuam espaço para a montagem da estrutura e tenha o número de moradores indicado podem entrar em contato com o Hemorio pelo e-mail: coleta.condominio@hemorio.rj.gov.br ou pelo telefone (21) 96467-2154.

É importante lembrar que não há qualquer evidência de risco de contrair o coronavírus através da doação de sangue, que é um procedimento seguro.

Os candidatos a doar sangue devem observas os seguintes critérios:

  • Não ter contraído a Covid-19 nem ter tido contato com o vírus
  • Quem teve a doença fica inapto por 90 dias após a cura
  • Quem teve a forma grave da doença fica inapto por um ano após a cura
  • Quem teve contato com casos suspeitos ou confirmados ficam inaptos por 30 dias após o fim desse contato
  • Quem retornou de viagem internacional ficam inaptos por 30 dias a partir da data de chegada ao Brasil
  • Quem teve contato domiciliar com casos suspeitos ou confirmados ficam inaptos por 30 dias após a cessação do contato

O objetivo da campanha é repor o estoque de sangue, que registrou queda de 50% nas doações na última semana, por conta da pandemia. Em todo o estado, a queda do número de bolsas de sangue coletadas foi de aproximadamente 70%.

Em média, o Hemorio tem disponibilidade para receber até 500 doadores por dia. Para a situação do estoque se regularizar é necessário que o Hemorio disponha de pelo menos 300 bolsas de sangue por dia.

 

Para doar sangue é preciso:

  • Ter entre 16 e 60 anos de idade, sendo até 69 anos de idade se já for doador de sangue
  • Pesar no mínimo 50kg
  • Estar bem de saúde
  • Apresentar um documento de identidade oficial com foto
  • Evitar alimentos gordurosos nas quatro horas que antecedem a doação, não ingerir bebida alcoólica 12 horas antes e não precisa estar em jejum
  • Menores de idade precisam de autorização dos pais ou responsáveis legais

FONTE(S): G1.GLOBO.COM.BR

Nova lente de contato traz tela, câmera e sensores para o olho humano

Uma startup chamada Mojo Vision está desenvolvendo tecnologia para um objetivo ambicioso: criar uma lente de contato inteligente que contenha uma tela, câmera, rádio e sensores, capaz de mostrar ao usuário uma “visão enriquecida” do mundo real.

Segundo a empresa, a tecnologia poderia ajudar portadores de deficiência visual, aumentando a nitidez de uma imagem, destacando objetos na cena ou ampliando a luz para possibilitar que enxerguem no escuro.

Parece coisa de ficção científica, mas parte da tecnologia já existe e foi demonstrada durante a CES 2020. O protótipo, no entanto, ainda é conectado a baterias e processador externos, e não pode ser colocado sobre os olhos. A Mojo afirma que a “tela” usada em sua lente tem resolução de 14.000 PPI (um iPhone 11 Pro tem 458 ppi).

Uma lente de contato inteligente poderia cumprir a visão do Google Glass, mostrando informações úteis no momento certo, sem que seja necessário tirar o telefone do bolso. A empresa afirma que usuários do produto final provavelmente precisarão carregar um acessório que fornecerá a conexão de dados e poder de processamento necessário para o funcionamento das lentes, mas sem o estigma social associado ao Google Glass, por exemplo.

A Mojo espera vender seu produto tanto para consumidores finais quanto para empresas, com as primeiras versões focadas em portadores de deficiência visual. Não há uma previsão de preço para a tecnologia, mas a empresa afirma que espera ter um produto no mercado “em dois anos”.

FONTE(S): REVISTASEGURANCAELETRONICA.COM.BR

Câmeras térmicas podem identificar mil casos de Covid-19 por hora

Diversas empresas e governos têm procurado formas de detectar possíveis infectados pelo novo coronavírus. A Athena Security afirma que seu Sistema de Detecção de Febre pode encontrar cerca de mil casos suspeitos por hora.

O sistema inclui câmeras, inteligência artificial e um termômetro bastante preciso para encontrar possíveis infectados com a Covid-19. Além de ser muito rápido, não precisa de qualquer contato e pode avaliar uma pessoa no meio de uma multidão e de forma autônoma.

Segundo a Athena, o mecanismo se calibra automaticamente e possui precisão de 0,4 graus Celsius. Além disso, é capaz de medir a temperatura de várias pessoas simultaneamente.

A Connect Tech sempre seguindo as recomendações de proteção do ministério da saúde.

FONTE(S): OLHARDIGITAL.COM.BR

Seis dicas para proteger sua câmera de segurança de invasões hackers

Câmeras de segurança conectadas à Internet podem virar alvo de hackers. É possível que alguém mal-intencionado consiga gravar ou até acompanhar ao vivo o que acontece na casa ou trabalho dos usuários, trazendo riscos à privacidade e à segurança. Manter a câmera atualizada, usar senhas fortes e dar preferência a fabricantes que tenham credibilidade no mercado são algumas das ações que podem evitar os riscos de vazamentos e invasão.

Aplicativo transforma seu celular em câmera de segurança; conheça

Recentemente, uma falha de segurança deixou dados de 2,4 milhões de pessoas expostos. O caso está sendo considerado o vazamento do tipo mais sério já visto em todo o mundo. Veja, a seguir, seis dicas para tornar o uso da câmera de vigilância algo mais seguro.

1.    Mantenha a câmera atualizada

Câmeras, assim como outros dispositivos conectados, devem receber atualizações de segurança por parte dos fabricantes ao longo do tempo. É essencial habilitar a opção de atualização automática, ou então, buscar pelos updates no site da fabricante. Além de reforçar a segurança da câmera, com o potencial de corrigir alguma brecha grave, essas atualizações podem melhorar o desempenho do produto e trazer novas funcionalidades.

2. Use senhas fortes

As câmeras de segurança conectadas vêm com uma senha de acesso padrão, liberada pelo fabricante para a primeira instalação. Se um invasor tentar acessar sua câmera, há uma boa chance de que a primeira senha que ele vai tentar usar é a palavra-passe pré-definida. Assim como na compra de um roteador novo, é fundamental mudar a senha da câmera para um código personalizado e seguro, com letras, números e caracteres especiais.

3. Certifique-se de que sua rede é segura

Se sua câmera tem uma senha segura e está sempre atualizada, mas está conectada a uma rede mal configurada, ela pode estar vulnerável a invasões. Para isso, é importante seguir algumas dicas para manter a rede Wi-Fi segura, como esconder o nome da rede e monitorar os dispositivos conectados, por exemplo.

 

4. Seja criterioso com o acesso remoto

As câmeras de segurança com acesso à Internet permitem acompanhar tudo em tempo real. A comodidade, no entanto, precisa ser usada com algum cuidado. Uma dica é não usar o acesso remoto em redes Wi-Fi públicas, ou em que você não confia. Outra recomendação é criar perfis de uso que diminuem riscos de interceptação. Avalie por exemplo se sua câmera precisa mesmo acessar a Internet o tempo todo. Talvez você possa configurá-la para transmitir as imagens apenas quando você não está em casa.

5. Use autenticação em dois fatores

Algumas câmeras fabricadas recentemente trazem a opção de configurar a autenticação em dois fatores. Essa função combina a senha escolhida com um código alfanumérico único, enviado, em geral, por celular e só você pode ter acesso. Com a verificação em duas etapas, o risco de que um invasor acesse seus dados e a câmera com sua senha desaparece.

6. Fique de olho na procedência

Na hora de comprar sua câmera, é importante buscar aparelhos de boa procedência. Os produtos de marca com maior presença no mercado, em tese, têm sistemas atualizados com frequência, além de ferramentas e recursos de segurança de boa qualidade. Desconfie de ofertas mirabolantes: câmeras de procedência duvidosa podem vir adulteradas da mão do vendedor, com malwares embutidos criados especificamente para facilitar a vida dos criminosos.

FONTE(S): TECHTUDO.COM.BR

Prefeitura do Rio vai usar smartphones para monitorar deslocamento da população

A Prefeitura do Rio de Janeiro fechou parceria com a TIM para rastrear possíveis focos de disseminação do novo coronavírus. A operadora vai fornecer informações anônimas em tempo real sobre o deslocamento de seus clientes.

Os dados serão compilados em mapas de calor que indicarão o volume de pessoas concentradas em um mesmo local. Assim, o poder público poderá identificar aglomerações e avaliar se a população dos bairros está respeitando medidas de distanciamento social.

A ferramenta ainda deve fornecer um panorama dos principais focos de contágio do vírus, além de guiar ações localizadas da prefeitura para incentivar que mais pessoas acatem as recomendações das autoridades de saúde.

“Estamos passando por um momento de extrema cautela e saber onde há concentração de usuários vai nos ajudar a orientar a população da melhor maneira”, disse o chefe-executivo do Centro de Operações Rio, Alexandre Cardeman. 

Vale lembrar, no entanto, que esse sistema de monitoramento não é novidade no Rio de Janeiro. Durante os Jogos Olímpicos em 2016, o governo municipal firmou acordo com a TIM para obter dados de localização dos clientes da operadora para desenvolver planos de mobilidade durante a competição esportiva.

A cidade também não será a única a adotar o monitoramento de dados de celulares para conter a epidemia do novo coronavírus. Na terça-feira (24/03), o prefeito de Recife (PE), Geraldo Júlio, anunciou uma medida similar, com a proposta de medir o “índice de isolamento” dos habitantes do município.

FONTE(S): VEJARIO.COM.BR

ORIENTAÇÕES PARA O COMBATE AO CORONAVÍRUS EM CONDOMÍNIOS

A determinação para evitar combater o coronavírus é ficar em casa, o que aumenta a necessidade de cuidados nos prédios. A Associação Brasileira das Administradoras de Imóveis (ABADI) preparou uma cartilha com orientações específicas para condomínios de prevenção ao coronavírus (Covid-19). De acordo com o a associação, o síndico tem poder, em uma situação de força maior, de determinar o fechamento das áreas comuns do condomínio, como piscina, quadras esportivas, salões de festas, academia e outros.

“Caso algum condômino esteja com coronavírus e faça quarentena domiciliar (14 dias em casa em isolamento, sendo monitorado à distância), o síndico pode avisar sobre uma pessoa doente aos demais moradores, mas sem relevar sua identidade”.

No condomínio Cores da Lapa, com 685 unidades, foram adotadas medidas como cancelamento de assembleias e reuniões, fechamento de saunas e afins e orientação para os moradores para deixar as janelas abertas.

Luiz Barreto, presidente da administradora Estasa, afirma que, como agora a ordem é ficar em casa, os condomínios devem redobrar a atenção, mesmo que seja com medidas consideradas radicais.

– Estamos mandando um comunicado para todos os condomínios que administramos. A ordem é fechar todas as academias e salão de jogos. Obra e manutenção só em casos emergenciais: não é hora de trocar o piso da sala- alerta.

Recomendações para condomínios:

– Disponibilizar álcool gel em áreas estratégicas: próximo a elevadores, portarias e em áreas de uso coletivo

–  Disponibilizar cartazes de comunicação e orientação aos moradores

– Orientar e dar assistência aos funcionários do condomínio e tentar afastar os mais idosos ou com doenças crônicas, que fazem parte do grupo de risco

– Caso algum colaborador do condomínio manifeste sintomas da doença, comunicar imediatamente à administração e serem afastados

– Suspensão das assembleias e reuniões presenciais, salvo em situações imprescindíveis. Neste caso, realiza-las em ambientes arejados, mantendo uma distância de, pelo menos, um metro entre os participantes

– Se possível, promover o fechamento temporário de espaços de uso coletivo, como piscina, sauna, academias, quadras esportivas

– As piscinas mantidas abertas devem ser cloradas por profissionais

– Exigir procedimentos de limpeza rigorosos no condomínio, especialmente em maçanetas, botoeiras, corrimãos, elevadores, playgrounds, academias e halls comuns

– Funcionários da limpeza devem usar equipamentos de proteção individual, como máscaras e luvas

– Na limpeza geral é recomendado o uso de alvejantes, álcool ou produtos com hipoclorito de sódio

– Com as crianças em casa, será importante manter a comunicação com pais e responsáveis para evitar que haja aglomeração no playground do condomínio

– Manter os banheiros das áreas comuns sempre abastecidos com sabão, papeis e álcool em gel

– Suspender a cessão de uso de espaços para eventos como: salões de festas, churrasqueiras, espaços gourmet, entre outros

– As garagens são, na maioria dos casos, fechadas e a circulação de pessoas deve ser apenas em casos de real necessidade

– Evitar elevadores lotados

– Estabelecer um fluxo racional para entregas em domicílio, a fim de evitar ao máximo o contato corporal

FONTE(S): OGLOBO.COM.BR

Porteiros são substituídos por sistema eletrônico

Mais de 100 porteiros já foram demitidos em Teresina e substituídos por um sistema de portaria remota. Nele, o serviço de entrada e saída de condôminos e visitante é feito por controle remoto e à distância, através de uma central de atendimento.

No Brasil, quase 300 mil condomínios já aderiram ao novo sistema e a previsão é de crescimento de 150% no setor até o final do ano, de acordo com a Associação Brasileira das Empresas de Sistema de Segurança Eletrônica.

Síndica em um condomínio de Teresina, a moradora Priscilla Viana, adotou o sistema de portaria remota há cinco meses e relata satisfação entre os moradores.

“A gente conseguiu uma redução de custos de aproximadamente R$ 500 e os condôminos ficaram muito satisfeitos. Há um custo bem mais em conta”.

Na portaria remota, os visitantes são monitorados através de imagens enviadas a uma central de atendimento que repassa os dados para os moradores através de mensagens a aparelhos telefônicos, onde é confirmada a autorização para a entrada.

A substituição do trabalho humano por tecnologia garante a mesma segurança e eficiência que o trabalho humano presencial alem da economia no preço final.

Saiba mais sobre o serviço com nossos consultores.

FONTE(S): CIDADEVERDE.COM.BR