Falha em sistema de câmera de segurança vaza dados de 2,4 milhões de usuários

Uma falha na plataforma das câmeras de segurança da marca Wyze expôs, por cerca de 11 meses, dados de cerca de 2,4 milhões de consumidores. O erro grave aconteceu, principalmente, nos Estados Unidos. Invasores mal-intencionados conseguiam até mesmo monitorar ao vivo as residências do usuário que tinha um dos modelos de câmera afetados. Segundo especialistas da empresa de segurança Twelve Security, este é o vazamento mais sério já visto em todo o mundo. O caso vem à tona logo depois de especialistas da Universidade do Texas alertarem para o perigo do uso de eletrônicos conectados.

Em resposta ao portal especializado CNET, a fabricante admitiu o problema e disse que os dados foram acidentalmente expostos em um processo de migração de servidores. Um funcionário teria falhado em seguir os protocolos de segurança durante o procedimento. Ainda não está claro se a companhia sabe se as informações chegaram a ser interceptadas por possíveis invasores.

Ao que tudo indica, a falha atingiu, em sua maioria, usuários americanos. Dos 2,4 milhões de usuários que tiveram seus dados expostos, 24% estão localizadas no leste dos Estados Unidos. O demais atingidos estão distribuídos entre outras regiões do país. O erro atingiu também o Reino Unido, Emirados Árabes, Egito e algumas regiões Malásia.

Segundo a Twelve Security, que descobriu o vazamento, a falha envolve uma fragilidade na proteção dos servidores que armazenam as informações coletadas pelos dispositivos domésticos da marca. Os especialistas alertam que a brecha segue presente e os dados ainda podem ser acessados por qualquer pessoa na web, desde que tenha os endereços dos servidores. As informações estariam protegidas apenas por um sistema fraco de senhas, que poderia ser derrubado com a técnica de força bruta.

Com os dados em mãos, um invasor pode fazer login na conta de usuários para visualizar o feed ao vivo das câmeras. Além disso, de acordo com os alertas dos especialistas, também seria possível interceptar diretamente o tráfego para obter as imagens.

Dispositivos afetados

Além de câmeras conectadas, a Wyze comercializa fechaduras inteligentes, lâmpadas e tomadas smart, entre outros aparelhos voltados para automação doméstica. Uma câmera de segurança da marca é vendida atualmente pela Amazon no Brasil, por R$ 443,90.

Os dados expostos incluem endereços de e-mails e credenciais de 24 mil pessoas, que conectaram um aparelho da Wyze à assistente virtual Alexa. O erro também liberou rotinas do IFTTT, informações detalhadas da rede local do usuário, monitoramento de alarmes e detalhes de calendários, além de reconhecimento facial de todos os consumidores que fizeram upload de foto de perfil na conta. Para um pequeno grupo de usuários, a base de dados chega a trazer também informações de saúde, como altura, peso, gênero, densidade óssea, dieta de proteínas diária, entre outros dados pessoais.

Ligação com a China

Ainda segundo a Twelve Security, a vulnerabilidade está presente principalmente nos servidores da Wyze localizados nos Estados Unidos. A empresa foi fundada em 2017 e é sediada no país norte-americano, mas parte de sua infraestrutura, observam os especialistas, está localizada na China.

Certificados dos servidores operados pela Wyze sugerem que a empresa teria ligações com o Alibaba Group, gigante varejista chinês que também oferece serviços na nuvem. Um relatório da firma de segurança aponta que as informações que circulam na infraestrutura chinesa estão mais protegidas.

Não se descuide, a Connect Tech tem parceria com as fabricantes de qualidade e maior segurança para sua residência ou negócio.

FONTE(S): TECHTUDO.COM.BR

Câmeras de trânsito do Rio são usadas para identificar aglomerações

As câmeras de monitoramento de tráfego da cidade do Rio de Janeiro estão sendo usadas para identificar aglomerações. A partir de quarta-feira (13), as 489 câmeras contarão com um detector de concentração de pessoas.

Este mecanismo é um software que permitirá aos operadores identificar grupos de pessoas que possam estar formando aglomerações. O objetivo é evitar a disseminação do coronavírus.

O programa conta com luzes verdes, que indicam o distanciamento mínimo de 1,5 metro entre as pessoas; o de cor laranja, que indica risco médio; e a vermelha, que indica o risco de aglomerações.

Quando o risco for detectado, o Disk Aglomerações da Secretaria de Ordem Pública (SEOP), será acionado.

FONTE(S): TECHTUDO.COM.BR

Seis dicas para proteger sua câmera de segurança de invasões hackers

Câmeras de segurança conectadas à Internet podem virar alvo de hackers. É possível que alguém mal-intencionado consiga gravar ou até acompanhar ao vivo o que acontece na casa ou trabalho dos usuários, trazendo riscos à privacidade e à segurança. Manter a câmera atualizada, usar senhas fortes e dar preferência a fabricantes que tenham credibilidade no mercado são algumas das ações que podem evitar os riscos de vazamentos e invasão.

Aplicativo transforma seu celular em câmera de segurança; conheça

Recentemente, uma falha de segurança deixou dados de 2,4 milhões de pessoas expostos. O caso está sendo considerado o vazamento do tipo mais sério já visto em todo o mundo. Veja, a seguir, seis dicas para tornar o uso da câmera de vigilância algo mais seguro.

1.    Mantenha a câmera atualizada

Câmeras, assim como outros dispositivos conectados, devem receber atualizações de segurança por parte dos fabricantes ao longo do tempo. É essencial habilitar a opção de atualização automática, ou então, buscar pelos updates no site da fabricante. Além de reforçar a segurança da câmera, com o potencial de corrigir alguma brecha grave, essas atualizações podem melhorar o desempenho do produto e trazer novas funcionalidades.

2. Use senhas fortes

As câmeras de segurança conectadas vêm com uma senha de acesso padrão, liberada pelo fabricante para a primeira instalação. Se um invasor tentar acessar sua câmera, há uma boa chance de que a primeira senha que ele vai tentar usar é a palavra-passe pré-definida. Assim como na compra de um roteador novo, é fundamental mudar a senha da câmera para um código personalizado e seguro, com letras, números e caracteres especiais.

3. Certifique-se de que sua rede é segura

Se sua câmera tem uma senha segura e está sempre atualizada, mas está conectada a uma rede mal configurada, ela pode estar vulnerável a invasões. Para isso, é importante seguir algumas dicas para manter a rede Wi-Fi segura, como esconder o nome da rede e monitorar os dispositivos conectados, por exemplo.

 

4. Seja criterioso com o acesso remoto

As câmeras de segurança com acesso à Internet permitem acompanhar tudo em tempo real. A comodidade, no entanto, precisa ser usada com algum cuidado. Uma dica é não usar o acesso remoto em redes Wi-Fi públicas, ou em que você não confia. Outra recomendação é criar perfis de uso que diminuem riscos de interceptação. Avalie por exemplo se sua câmera precisa mesmo acessar a Internet o tempo todo. Talvez você possa configurá-la para transmitir as imagens apenas quando você não está em casa.

5. Use autenticação em dois fatores

Algumas câmeras fabricadas recentemente trazem a opção de configurar a autenticação em dois fatores. Essa função combina a senha escolhida com um código alfanumérico único, enviado, em geral, por celular e só você pode ter acesso. Com a verificação em duas etapas, o risco de que um invasor acesse seus dados e a câmera com sua senha desaparece.

6. Fique de olho na procedência

Na hora de comprar sua câmera, é importante buscar aparelhos de boa procedência. Os produtos de marca com maior presença no mercado, em tese, têm sistemas atualizados com frequência, além de ferramentas e recursos de segurança de boa qualidade. Desconfie de ofertas mirabolantes: câmeras de procedência duvidosa podem vir adulteradas da mão do vendedor, com malwares embutidos criados especificamente para facilitar a vida dos criminosos.

FONTE(S): TECHTUDO.COM.BR

O que é importante no cabo coaxial para CFTV

Você já parou para pensar no que é importante no cabo coaxial para CFTV?

Com tantas opções no mercado acaba ficando difícil para quem não é um especialista no assunto descobrir realmente quais características que são importantes no cabo coaxial.

Quem já é um expert no assunto e conhece a Connect Tech sabe como valorizamos a infraestrutura e insistimos para que a qualidade não caia principalmente em cabos, conectores e a organização.

A infraestrutura é uma parte que representa porcentagem pequena no preço total do CFTV, porém, se não for tratada como se deve vai comprometer toda a qualidade do sistema e do serviço do profissional de segurança.

O cabeamento sem dúvidas é o fator determinante para um bom sistema de CFTV, mas como escolher o cabo coaxial certo se não sabemos o que é importante.

Vamos agora conhecer quais características mais importantes no cabo de coaxial para CFTV, de maneira que você faça a escolha certa na hora da compra.

Bitola do cabo coaxial bipolar

A palavra bitola é uma unidade de medida que no cabo coaxial é usada para medir o diâmetro do cabo.

Até bem pouco tempo atrás existia uma gama de cabos para CFTV como RG 59, RG 6 e RG 11, mas hoje em dia os cabos mais comuns que você vai encontrar se dividiram em dois: 4 mm e 5 mm.  

Quanto mais grossa a bitola do cabo, teoricamente maior vai ser a distância que o sinal do CFTV vai percorrer.

Perceberam que na frase anterior existe a palavra ‘teoricamente’, isso porque não basta apenas a espessura da bitola para que o fio consiga percorrer uma boa distância, existe outro fator muito importante que interfere no alcance do sinal que vamos conhecer agora.

Núcleo do cabo coaxial

Além da espessura do fio que vai conduzir o sinal, a composição do núcleo do cabo coaxial interfere diretamente na distância que o sinal vai percorrer.

Existem cabos de todos os preços no mercado, mas sempre que um cabo muito barato é oferecido é importante perguntar qual a porcentagem do cobre no núcleo.

O ideal para cabos de CFTV independente de 4 ou 5 mm é que o cabo seja 100% cobre, a composição do cabo além de impactar na distância que o sinal vai alcançar ele também interfere na qualidade da imagem que chega ao DVR.

De nada adianta investir fortemente em um sistema de CFTV com câmeras de alta qualidade e pecar no momento de escolher o cabo, a qualidade da imagem é simplesmente perdida.

Malha do cabo coaxial

A malha do cabo coaxial é um componente estratégico para manter a qualidade da imagem, ela é a grande chave da longevidade do cabo coaxial na indústria de imagem.

Quanto mais densa a malha do cabo coaxial maior vai ser o isolamento do sinal evitando interferência eletromagnética, a malha faz esse isolamento através de um fenômeno chamado Gaiola de Faraday.

Além da malha alguns fabricantes usam uma segunda alternativa para evitar interferências que é uma camada de alumínio entre a malha e o Nylon do cabo coaxial, cabos com esta alternativa são chamados de “cabo com dupla blindagem”.

A Connect Tech, sempre preparada para instalações em cabo coaxial para pequeno, médio e grande porte com os melhores profissionais do mercado. Estamos prontos para atender a sua necessidade

FONTE(S): ONIXSECURITY.COM.BR

Por que usar um rack para CFTV?

Os racks para CFTV chegaram ao mercado de segurança com uma proposta muito clara e definitiva, facilitar a vida do instalador!

Os racks para CFTV começaram de forma modesta e com poucos modelos, com o tempo a evolução foi imensa e hoje podemos encontrar soluções para qualquer projeto. Um projeto de CFTV é composto essencialmente por câmeras, cabo e DVR.

Não é necessariamente obrigatório colocar um rack organizador, mas as vantagens de um rack organizador são inegáveis. 

Fácil alimentação para o CFTV

Quando vai ser realizada a instalação de CFTV um dos grandes obstáculos que muitas vezes implicam na infraestrutura é a rede elétrica já existente no imóvel.

Os racks de CFTV oferecem a possibilidade de levar vídeo e alimentação para câmera em um único cabo tanto coaxial bipolar como em cabo de rede.

Isso elimina de uma vez por todas a dificuldade da implementação do Nobreak no projeto já que a alimentação seria centralizada no rack para CFTV garantindo muito mais qualidade e segurança para o usuário.

Rack para CFTV aumenta a vida útil do sistema de câmeras

Os racks para CFTV mais modernos que contam com placas organizadoras, contam também com componentes de proteção contra sobrecarga elétrica.

Os racks para CFTV Tem a grande vantagem de proteger os componentes eletrônicos do CFTV desarmando quando ocorre uma sobrecarga de energia e volta ao trabalho normalmente quando a corrente se normaliza. Evitando assim danos ao CFTV e sem o trabalho de ter que abrir o equipamento para trocar fusível.

Lembrando que é de suma importância o aterramento de cada equipamento de CFTV como indica seus respectivos fabricantes.

Uma imagem sem interferências

As interferências no CFTV podem ter vários fatores ocasionais, um dos mais comuns deles é a interferência gerada pela eletricidade estática dos fios da rede elétrica.

Como os racks para CFTV da linha Power são desenvolvidos para levar vídeo e alimentação no mesmo cabo eles contam com filtro magnético integrado o que vai garantir uma imagem muito mais nítida e sem interferências.

Mais Segurança para o DVR

O DVR é o coração do CFTV, quando existe um investimento em segurança é nele que fica armazenadas todas a imagens que são captadas.

É ilógico fazer um investimento em CFTV e não proteger o DVR, em caso de roubo de imóvel ou qualquer outro crime premeditado que for praticado o criminoso sem dúvidas irá procurar roubar/quebrar ou desligar o DVR.

Além de segurança contra pessoas mal-intencionadas temos que levar em consideração que acidentes acontecem.

Quando o DVR fica muito exposto em locais de fácil acesso como em cima do rack de TV na sala, junto a outros equipamentos eletrônicos, é comum um acesso indevido como de um funcionário limpando e mudando alguma configuração sem querer ou uma criança apertando os botões do equipamento.

O ideal é preparar um local próprio para o DVR como um Rack para CFTV ou um Rack Padrão Informática, que vai restringir o acesso indevido, mas deixando fácil para identificar problemas e fazer uma possível manutenção. Além disso, o DVR irá ficar em um local limpo reduzindo o risco de falhas no sistema de CFTV.

FONTE(S): ONIXSECURITY.COM.BR

Nuvem facilita o acesso às imagens de câmeras de segurança

Segurança é uma das principais preocupações dos brasileiros. Uma pesquisa de 2014 e as notícias de 2015 relativas às Olimpíadas mostram que, cada vez mais, as ações da população são condicionadas pela existência ou falta de segurança. Dessa forma, é natural também que os investimentos em segurança nos negócios e domicílios aumentem, e a principal solução para isso é a instalação de um sistema circuito fechado de TV (CFTV).

Tradicionalmente, um sistema de CFTV utiliza câmeras e gravadores digitais de vídeo (DVRs) para captar e gravar as imagens. Para facilitar o trabalho, a Intelbras criou o Intelbras Cloud, um sistema que permite que as imagens das câmeras sejam acessadas facilmente de qualquer lugar.

Um novo conceito em Cloud Computing

O “cloud computing” virou um termo muito associado ao armazenamento de dados e ao software facilitado. Mas, no caso do acesso remoto às imagens da câmera, refere-se a um serviço de conexão ponto a ponto (P2P) que não anula o uso do DVR em um sistema. Na verdade, ele facilita o acesso aos equipamentos, criando uma conexão que não depende de regras de rede (NAT) para realizar as conexões. Outra vantagem é que o sistema de monitoramento por câmeras agora pode ser configurado rapidamente. Entenda abaixo como funciona:

  • Para adotar a tecnologia, é necessário haver câmeras de monitoramento instaladas a um DVR funcionando. Se você já tiver esses aparelhos instalados no local e eles forem compatíveis com o software de acesso ao cloud, pode ir direto para a fase de configuração. Hoje existe três formas: através do aplicativo ISIC 6, SIM Plus e por meio da web.
  • Funcionamento e manutenção: uma vez que a instalação for feita através do aplicativo ISIC 6, SIM Next ou pelo site, é possível utilizar uma dessas opções acima para realizar consultas ou possíveis manutenções.
  • Custo: a adesão ao sistema é gratuita. Basta realizar um cadastro pelo aplicativo ISIC 6 ou pela página do Intelbras Cloud. O único gasto será com o técnico que realizará a configuração do sistema.

Vantagens da adoção de um sistema em nuvem para acesso a imagens das câmeras

Para o cliente

  • Facilidade de acesso aos equipamentos;
  • Fácil configuração do sistema em nuvem;
  • Não há necessidade de criar regras de redirecionamento de portas;
  • Um único cadastro, tanto para acesso externo e interno;
  • Sem custo adicional pelo serviço.

Confira um exemplo de configuração por meio da Intelbras Cloud

Suponha que existam dois DVRs em uma residência ou estabelecimento e que eles precisem de alguma configuração específica, feita remotamente. Antes, quando o processo era realizado com conexão via DDNS, era necessário o redirecionamento de portas (NAT) no modem/roteador para cada um deles. Somente depois desse processo ocorria o acesso ao dispositivo.

Com o Intelbras Cloud, o processo é realizado de forma mais fácil e ágil, pois não há a necessidade de direcionamento de portas. Basta inserir o dispositivo através de um QR code na página do Intelbras cloud, ISIC ou SIM Plus, para ter acesso às configurações.

E você, já pensou em mudar para um sistema em cloud de monitoramento de imagens das câmeras? Contacte já um de nossos consultores.

FONTE(S): OLHARDIGITAL.COM.BR

Top 3 cidades mais vigiadas do mundo

Vivemos uma era que a tecnologia avança em ritmo acelerado e o CFTV não fica para trás, a tendência do mercado de segurança eletrônica é o desenvolvimento de equipamentos com uma resolução cada vez maior a preços acessíveis. 

Um dos principais consumidores de sistemas de CFTV são os setores públicos. Os órgãos de segurança sempre tiveram muito apreço por câmeras de segurança entre outros equipamentos para garantir a segurança das áreas públicas nas cidades. 

Vamos conhecer agora quais as 3 cidades mais vigiadas do mundo, e qual é a relação câmeras por habitantes destas cidades. 

3º cidade mais vigiada do mundo: Xangai 

Xangai é a maior cidade da China e a mais importante do país economicamente, ela fica localizada na costa central da China. 

O centro mais importante de Xangai é conhecido como Bund, uma área repleta de prédios coloniais a beira mar. 

Xangai tem 26,3 milhões de habitante e 2,98 câmeras de segurança o que dá 1 câmera para cada 8,82 habitantes

2º Cidade mais vigiada do mundo: Shenzhen

A cidade Shenzhen é a 2º cidade do mundo mais vigiada, um dos principais motivos é que Shenzhen é o principal destino de compras na China. 

Shenzhen têm uma enorme diversidade de regiões comerciais que focam no vestuário e moda.  

Shenzhen tem 12,2 milhões de habitantes e 1,92 milhões de câmeras de CFTV, o que resulta em 1 câmera para cada 6,35 habitantes. 

1º Cidade mais vigiada do mundo: Chongqing

Como não poderia ser diferente a cidade mais vigiada do mundo também é chinesa a metrópole de Chongqing. 

Chongqing é conhecida como a metrópole mais discreta da China, os números da cidade são impressionantes em relação à segurança, são 2,6 milhões de câmeras de CFTV para uma população de 15,3 milhões de pessoas. 

Chongqing a cidade mais vigiada do mundo tem 1 câmera de CFTV para cada 5,8 habitantes. 

China e sua preocupação com segurança 

A China tem uma verdadeira obsessão com a vigilância de seu povo, por isso as 3 cidades mais vigiadas do mundo se encontram lá. 

Um dos principais motivos para este investimento massivo é o programa de reconhecimento facial do governo chinês que restringe acesso das pessoas a áreas públicas dependendo do seu perfil e histórico social. 

Se o governo identificar que um determinado habitante participa de passeatas, protestos ou qualquer ato que o governo desaprove ele pode proibir que este cidadão use serviços como o transporte público. 

Embora o objetivo do governo não seja tão nobre assim ainda podemos extrair coisas positivas desta vigilância, as empresas chinesas são líderes em reconhecimento fácil e algoritmos de monitoramento inteligente. 

Cidade mais vigiada do mundo fora da China 

Como a China predominou nosso Top 3 resolvemos também falar sobre a 4º cidade mais vigiada do mundo que é a 1º fora da China. 

Londres é a cidade mais vigiada do mundo fora da China, a capital Inglesa e do Reino Unido é uma cidade emblemática com vários ícones como os ônibus vermelhos de 2 andares, sedes do poderoso parlamento e o relógio Big Ben. 

Londres tem 9,7 milhões de habitantes e 627,7 mil câmeras de monitoramento, o que leva 1 câmera para cada para cada 15,4 londrinos. 

Cidade mais monitorada do Brasil 

Deve ter ficado mais curioso para saber qual a cidade mais monitorada do Brasil não é mesmo? 

Infelizmente não existe um ranking oficial e alguns dados são conflitantes, mas existe uma cidade na região metropolitana de Salvador que tem um verdadeiro arsenal de câmeras de alta definição. 

A cidade de Madre de Deus tem uma população de 20.707 habitantes segundo dados de 2018 e com ajuda de uma política pública de segurança conta com 79 câmeras de todos os modelos. 

Desde Speed Domes superpotentes até câmeras específicas para monitoramento do trânsito. 

O monitoramento fica a cargo da Polícia Militar e de outros órgãos públicos, já que o objetivo do monitoramento além de garantir segurança e monitorar o trânsito também é fiscalizar o funcionamento de serviços público como coleta de lixo.   

E você, o que acha desta vigilância toda? É positivo ou é negativo? Deixe seu comentário!

FONTE(S): ONIXSECURITY.COM.BR

Como aplicativos podem auxiliar na gestão condominial

A gestão condominial exige preparo dos síndicos em relação à segurança, especialmente com o crescimento da criminalidade nas cidades. Mas, da mesma forma, a tecnologia tem se desenvolvido para proporcionar soluções aos desafios que se impõem na atualidade. Os aplicativos para smartphones focados em gestão condominial representam uma nova tendência que está conquistando os administradores de condomínios residenciais pelo país.

Quer saber como esses aplicativos podem facilitar a gestão condominial? Então acompanhe esse post e fique ligado nessa novidade.

Gestão condominial na palma da mão

A popularização dos smartphones ampliou as possibilidades de comunicação, entretenimento e gestão de tarefas, entre outras vantagens. No condomínio, esse aparelho que faz parte do dia a dia das pessoas se tornou uma ferramenta bastante útil para solução de problemas.

No Brasil, superamos a marca de um smartphone por habitante e temos mais de 200 milhões desses aparelhos ativos. Conscientes desse cenário, e de olho no mercado da gestão condominial, empresas de tecnologia desenvolveram aplicativos e softwares que reúnem a grande maioria das atividades do síndico numa única plataforma.

A tendência ganhou as grandes metrópoles e tem tudo para se espalhar para todo o Brasil. Existe no mercado nacional uma série de opções criadas para facilitar a administração do condomínio. Confira as vantagens que essas soluções podem oferecer aos síndicos:

Controle do acesso

A segurança é uma das principais preocupações dos condôminos. Controlar o acesso de pessoas estranhas é uma das opções dos aplicativos para gestão condominial. Com eles, os moradores podem fazer a liberação da entrada dos visitantes e fornecedores no condomínio pelo próprio smartphone. Alguns sistemas possibilitam também o registro em vídeo de todas as aberturas de portas feitas via interfone pelos condôminos, bem como o envio de chaves virtuais (QR CODE), por exemplo, aos convidados da sua festa para que os mesmos não fiquem esperando na portaria.

Reserva de espaços de lazer

Garantir uma data e horário para uso de salão de festas, sauna, piscina ou qualquer outro espaço de uso comum dos moradores pode ser feita por meio de um aplicativo. O síndico fica livre de ter de administrar essa rotina e ganha tempo para ações mais estratégicas.

Datas de vencimento

Lembrar a data de vencimento das taxas condominiais é uma praticidade que os aplicativos permitem. Mas não só isso: eles também podem ajudar o síndico a se lembrar de vencimento de prazos de manutenção preventiva de equipamentos, além de expiração de contratos de serviços.

Câmeras de monitoramento

Seu condomínio tem um sistema integrado de segurança, mas as imagens ficam restritas ao síndico e a poucos funcionários? Com os aplicativos, a vigilância de áreas comuns pode ficar nas mãos dos condôminos, contribuindo para oferecer mais segurança a todos. Ao escolher uma solução, confira se os sistemas de segurança e dos aplicativos são integrados para ter essa vantagem.

Organização de assembleias

Virou coisa do passado perder tempo em assembleias nas quais os condôminos não estão familiarizados com os temas que serão votados. Com os aplicativos, os assuntos podem ser verificados com antecedência, tornando as assembleias mais ágeis. As atas ficam registradas e são facilmente acessadas via aplicativo.

Ocorrências e avisos

As ocorrências e solicitações de consertos e reparos podem ser feitas facilmente pelos moradores por meio do aplicativo. Os avisos gerais, como datas de obras ou melhorias, podem ser disponibilizados pelo app.

Botão de Pânico

Alguns aplicativos disponibilizam um botão de pânico para que em caso de alguma necessidade, a empresa de segurança e também o síndico sejam acionados. Idosos podem acionar o dispositivo quando ocorre algum acidente.

O que achou dessas vantagens? Bem melhor do que o aviso colado na porta do prédio ou na parede do elevador, não é mesmo? Os aplicativos representam mais comodidade ao síndico, que pode disponibilizar mais tempo para suas outras atividades ou, até mesmo, gerenciar um outro condomínio.

Acompanhe nosso blog e se tiver alguma dúvida, deixe seu comentário entre em contato.

FONTE(S): INTELBRAS.COM.BR

Escolher o HD errado pode transformar sua segurança em dor de cabeça

Imagine a seguinte situação: você está em casa, tranquilo, quando recebe uma ligação da polícia informando que tentaram invadir a sua empresa. A polícia informa que nada foi levado, mas pede o conteúdo das câmeras para que os responsáveis sejam identificados. Ao conferir o disco rígido onde as imagens ficam guardadas, porém, vem a ingrata surpresa: nada foi gravado.

O quadro assustador é mais comum do que se imagina. Embora a adoção de CFTV (Circuito Fechado de Televisão) tenha se tornado algo normal em boa parte dos estabelecimentos brasileiros, nem todos os empresários tratam do assunto com o rigor necessário.

Talvez um dos principais problemas seja justamente a escolha errada do HD. “Tão importante quanto a seleção da câmera é o meio de armazenamento das imagens geradas. Os gravadores digitais de vídeo, também conhecidos como DVR ou NVR, devem conter, instalado internamente, um disco rígido próprio para o uso em segurança eletrônica”, explica Ronney Amorim, responsável pela linha de discos rígidos na Intelbras.

O problema ocorre quando, em vez de adotar uma solução especificamente preparada para aquela finalidade, opta-se por um modelo convencional. Sai mais barato, mas o HD desenvolvido para uso em computadores não está preparado para operar em sistemas de vigilância.

É só parar para pensar: em uma empresa, o disco rígido comum geralmente fica ligado durante cerca de nove horas, passando as outras 15 descansando. Já a versão para CFTV precisa rodar, de forma ininterrupta, durante as 24 horas dos sete dias da semana. Aplicando essa carga volumosa de trabalho ao HD comum, a pessoa que estiver confiando no circuito de vigilância precisa contar com a sorte para que a aparelhagem não deixe de funcionar.

E não é só a questão do tempo de uso que conta. Tome-se como exemplo o HD WD Purple. Ele grava mais rápido para evitar que os quadros de imagens sejam perdidos, tem baixo consumo de energia e de vibração, além de fazer pouco barulho. Disponível em versões com 1 TB, 2 TB, 3 TB, 4 TB e 6 TB, vem com três anos de garantia, o que significa que a empresa atesta que o produto suporta essa maratona de gravações por, pelo menos, 1.095 dias.

É muito importante que o profissional ofereça a capacidade e a solução correta ao seu cliente para evitar futuros transtornos, como a gravação perdida de uma câmera em um momento crucial ou um sistema de CFTV apenas como ‘efeito placebo’. Com segurança não se brinca.

 FONTE(S): OLHARDIGITAL.COM.BR

Câmera de segurança Wi-Fi externa: veja modelos disponíveis no Brasil

Modelos prometem aumentar a segurança de sua casa e enviam as imagens direto para o seu smartphone

As câmeras de segurança externas com Wi-Fi são alternativas ideais para proteger os arredores do seu estabelecimento ou casa. Os modelos chamam atenção por serem mais fáceis de usar que aparelhos convencionais de vigilância, além de p acessar as imagens gravadas em tempo real de um celular ou tablet com Android ou iOS

Apesar disso, não existem muitas opções de qualidade e de marcas conhecidas à venda no Brasil. Pensando nisso, selecionamos os modelos de câmeras de segurança com Wi-Fi que podem ser interessantes para comprar. A lista traz alternativas da HikvisionIntelbras.

1. Hikvision B1 WIFI

As câmeras D1 e B1 WIFI da Hikvision podem ser usadas em ambientes externos com uma distância do NVR de até 150m em área livre. Além disso, possuem resolução Full HD, resistência à água, infravermelho e super compressão de imagens com H.265 plus, permitindo mais armazenamento no HD.

Se tornando uma das soluções mais completas. A promessa é de entregar imagens de alta qualidade mesmo em ambientes com pouca iluminação, uma vez que apresenta iluminador infravermelho com um alcance de 30 metros.

 

2. Intelbras iC5

Uma das alternativas da Intelbras para manter sua casa mais segura é a iC5. A câmera tem como proposta oferecer todo o controle necessário do equipamento na palma da sua mão e em qualquer lugar por meio do smartphone. Seu design não é tão moderno e robusto quanto o modelo anterior, porém também traz certificação IP66 para funcionar até mesmo na chuva.

Com relação à ficha técnica, a câmera realiza filmagens em HD (720p), tem campo de visão de 114 graus e visão noturna de até 30 metros, característica interessante para quem pretende utilizar o dispositivo em ambientes sem nenhuma luminosidade. A fabricante afirma ainda que a câmera traz sensores de movimentos capazes de avisar quando alguém se aproxima por meio de alertas ou notificações no celular.

 

3. Intelbras EHC 101

Outra câmera de segurança da Intelbras que promete ajudar na segurança é a EHC 101. O modelo aposta em um visual arrojado, que pode ser utilizado tanto dentro quanto fora de casa, já que também possui proteção contra poeira e chuva (certificação IP66). Seu diferencial está no sistema de fácil configuração, mas pode deixar a desejar quanto à resolução de imagem e alcance da visão noturna. A câmera grava em QVGA (320 x 240 pixels), resolução menor que a HD, e tem infravermelho com um alcance de apenas 5 metros.

Em seu interior, ela conta com microfone embutido, sensor CMOS de 1/4 de polegada e lente de 3,6 mm. É possível configurar o modelo em posições de mesa, teto ou parede, tornando a utilização bastante versátil.

Como escolher uma câmera de segurança? Tire suas dúvidas com nossos consultores.

FONTE(S): TECHTUDO.COM.BR